Wednesday, 29 June 2011








A Eternidade

De Rimbaud, escrito em Maio de 1872,  poema L'Éternité ( A Eternidade ):

Elle este retrouvée.
Quoi? - L'Éternité.
C'est la mer allée
Avec le soleil.

Âme sentinelle,
Murmurons l'aveu
De la nuit si nulle
Et du jour en feu.

Des humains suffrages,
Des communs élans
Là tu te dégages
Et voles selon.

Puisque de vous seules,
Brises de satin,
Le Devoir s'éxhale
Sans qu'on dise: enfin.

Là pas d'espérance,
Nul orietur.
Science avec patience,
Le supplice est sûr.

Elle este retrouvée.
Quoi?- L'Éternité.
C'est la mer allée
Avec le soleil.


A Eternidade

De novo me invade.
Quem ? -A Eternidade.
É o mar que se vai
Com o sol que cai.

Alma sentinela,
Ensina-me o jogo
Da noite que gela
E do dia em fogo.

Das lides humanas,
Das palmas e vaias
já te desenganas
E no ar te espraias.

De outra nenhuma,
Brasas de cetim
O Dever se esfuma
Sem dizer: enfim.

Lá não há esperança
E não há futuro.
Ciência e paciência
Suplício seguro.


De novo me invade.
Quem? - A Eternidade.
É o mar que se vai
Com o sol que cai.



 tradução de Augusto de Campos










Thursday, 23 June 2011

*















... são paredes invisiveis as que nos cercam
e nos empurram em todas as direcções...


ou em apenas Uma...









*


Monday, 13 June 2011

*










o valor das coisas não está no tempo que elas duram,
mas na intensidade com que elas acontecem.
Por isso existem 
momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e
pessoas incomparáveis.


fernando pessoa






*


Saturday, 4 June 2011

*











" O amor é grande e cabe nesta janela sobre o mar. 
O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar
O amor é grande e cabe no breve espaço de beijar. "




.
Carlos Drummond de Andrade





*