Saturday, 27 March 2010



*






Photobucket






"durante anos treinei o lúmen do coração"




Não sabes, leitor, como estou rodeada de silêncio

há uma ave onde este texto se apoia.

fecho os olhos, e o poema traz para este lugar

o búzio dos cofres



escrevo em filigranas de ar

secretas harpas de sombra

onde as primeiras letras ousam pousar.

durante anos treinei o lúmen do coração

em cântaros de sol subindo os primeiros degraus



depois habituei-me à confidência das aves

pousada na inteligência dos bosques

movidos a vento e água,

acácias entre mãos



por último a ciência da respiração

no sumo das auroras




Maria Azenha in "de amor ardem os bosques", ed./aut., 2010, p 30.
 
 
 






Saturday, 20 March 2010





*



Photobucket







O espírito do vale



O espírito é tão profundo como um vale e nunca esmorecerá.

É a grande mãe misteriosa.

A porta para esta misteriosa criatura
é a raiz do Céu e da Terra.

Apesar de ser invisível, permanece;
nunca se extingue.



 
Lao Tzu





*







 


Saturday, 6 March 2010

*








Photobucket





" O abandono gera um espírito sereno,

dissipa as mais vivas inquietações,

dulcifica as penas mais amargas.

Há simplicidade e liberdade no coração.

O homem abandonado está disposto a tudo.

Esqueceu-se de si mesmo.

Este esquecimento é a sua morte e o seu nascimento

no coração que cresce e dilata. "




Bossuet






*


Monday, 1 March 2010

...










De todos os cantos do mundo

Amo com um amor mais forte e mais profundo

Aquela praia extasiada e nua,

Onde me uni ao mar, ao vento e à lua.





Sophia de Melo Breyner andresen
in Mar




...