Thursday, 29 January 2009



**






Photobucket


O beijo da quilha

na boca da água

me vai trocando entre céu e mar,

o azul de outro azul,

enquanto

na funda transparência

sinto a vertigem

da minha própria origem

e nem sequer já sei

que olhos são os meus

e em que água

se naufraga minha alma


Se chorasse, agora,

o mar inteiro


me entraria pelos olhos




Mia Couto

viagem






**


Monday, 26 January 2009


**







Photobucket







Sem outro intuito

Atirávamos pedras
à água para o silêncio vir à tona.
O mundo, que os sentidos tonificam,
surgia-nos então todo enterrado
na nossa própria carne, envolto
por vezes em ferozes transparências
que as pedras acirravam
sem outro intuito além do de extraírem
às águas o silêncio que as unia.



Luís Miguel Nava

Vulcão I






**





Tuesday, 20 January 2009


**





Photobucket


Geh aus, mein Herz

I.

Geh aus, mein Herz, und suche Freund

In dieser lieben sommerzeit

An deines Gottes Gaben:

Schau an der schönen Gärten Zier,

Und siehe, wie sie mir und dir

Sich ausgeschmücket haben.

...


Paul Gerhardt





**


Sunday, 18 January 2009




**




Photobucket




lírios roxos
encantam o ar,
e o cheiro atravessa
a minha alma
de uma ponta à outra.


diz-me os teus segredos
carinhosos, como essas
pétalas roxas
e brilhantes!


a espuma do mar lá está
a olhar os lírios
que renascem
ao longe do tempo.





luís horta, 9 anos







**



Friday, 16 January 2009





**



os barcos




Photobucket





Dormem na praia os barcos pescadores

Imóveis mas abrindo

Os seus olhos de estátua


E a curva do seu bico

Rói a solidão.




Sophia de Mello Breyner Andresen




**







Sunday, 11 January 2009

**





Photobucket



Tu és mais branca do que o cisne branco
Que voga no lago
Tu és mais branca do que a gaivota branca
Que voa no rio.
Tu és mais branca do que a neve branca
No cimo dos montes.
Tu és mais branca do que os anjos de branco
Que moram no céu.


Tu és a delicada baga vermelha
Que nos bosque acalma a fúria
De todos os homens.


Tu és a onda do mar.
Da praia-mar
Desces de manso
À baixa-mar.
Tu és a onda do mar.
Da baixa-mar


Sobes de manso
À praia-mar.






Canção de tradição oral gaélico escocês

trad.: José Domingues Morais






**

Thursday, 8 January 2009



**






Photobucket






As ondas quebraram uma a uma


Eu estava só com a areia e com a espuma


Do mar que cantava só pra mim.






Sophia deMello Breyner Andresen


in "obra poética"




**

Monday, 5 January 2009


**






Recomeça…. Se puderes

Sem angústia

E sem pressa.

E os passos que deres,

Nesse caminho duro

Do futuro

Dá-os em liberdade.

Enquanto não alcances

Não descanses.

De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,

Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo

O logro da aventura.

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

Onde, com lucidez, te reconheças…






Miguel Torga




**



Thursday, 1 January 2009

... há em ti!





Photobucket




Todas as manhãs são frias ...


Todas as manhãs são líquidas ....



Momentos de verdadeira intimidade na sensibilidade


do eterno azul do mar!






*h





**



#